CCT suspende contribuições ao Fust

10/09/2015

A Comissão de Ciência e Tecnologia (CCT) da Câmara aprovou, nesta quarta-feira, 9, o Projeto de Lei 2.217/2015, que suspende as contribuições ao Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) até a aplicação do total arrecadado desde a sua instituição, para atender às finalidades legais para as quais foi criado. O autor da proposta, deputado Sandro Alex (PPS-PR) argumenta que não é justo que a sociedade pague em troca de um benefício que lhe é sonegado, em evidente burla à Lei por parte do governo.

De acordo com o parlamentar, desde 2000 até meados deste ano, o fundo arrecadou R$ 18 bilhões, que foram usados apenas para o pagamento da dívida pública. Ele afirma que o Tribunal de Contas da União (TCU) já condenou a prática por parte do governo há dez anos, mas nada foi feito para mudar a situação.

Leia mais...

Preço de smartphones pode aumentar até 50%, diz SindiTeleBrasil

10/09/2015

SÃOPAULO - O preço de smartphones poderá crescer 50% neste fim de ano com o término da desoneração desses aparelhos e a alta do dólar, disse Eduardo Levy, presidente-executivo do SindiTelebrasi l, organização que representa as operadoras de telecomunicações.O aumento de custo do setor é considerado "inaceitável" e trabalha contra a recuperação da nota de crédito do país, segundo o executivo.

Ontem, a agência de risco Standard & Poor's (S&P) rebaixou o grau de investimento do Brasil para BB+, que passou a grau especulativo. Para o setor de telecomunicações, o país já perdeu o selo de bom pagador. Agora, é preciso trabalhar para evitar que a situação piore.

Leia mais...

SindiTelebrasil pede a senadores que evitem a 'reoneração' dos smartphones

09/09/2015

O diretor do SindiTelebrasil, Carlos Duprat, previu um Natal cinza para este ano, no que diz respeito ao avanço da banda larga móvel e fixa. Segundo ele, a suspensão da isenção para compra de smartphones, tablets e computadores somada à intenção de vários estadosdeaumentar a alíquota deICMSincidente sobre os serviços de telecomunicações e a alta do dólar, que aumenta custos das operadoras, trarão impacto negativo na expansão dos acessos.

Duprat, que participou nesta quarta-feira, 9, de audiência pública no Senado sobre acesso à Internet por jovens do campo, pediu aos senadores que evitem a 'reoneração' dos smartphones, prevista na Medida Provisória 690, assim como que discutam regras para fazer com que os recursos dos fundos setoriais sejam efetivamente usados para reduzir as dificuldades de acesso aos serviços de telecomunicações pelos moradores da área rural.

Leia mais...

Número de conexões 4G chega a 755 milhões no mundo

04/09/2015

O número de conexões 4G (LTE) teve um crescimento anual 140% entre junho de 2014 e junho de 2015 e excedeu pela primeira a marca de 10% do total de linhas móveis em serviço no mundo, com 755 milhões. Os números são da GSA, associação que representa os fabricantes globais de rede móvel. Em 12 meses foram adicionadas 441 milhões de conexões 4G no mundo.

Um forte crescimento foi percebido na região da América Latina e Caribe, que conta agora com 22,5 milhões de assinantes, ante 17,2 milhões de um ano atrás, um aumento de 324%. A Rússia, por sua vez, cresceu 194%.

Leia mais...

Minicom espera ter novo modelo regulatório no primeiro semestre de 2016

01/09/2015

Com o novo programa Banda Larga para Todos no horizonte para a universalização do acesso à Internet em alta velocidade e extensão da cobertura de redes de fibra no backhaul para 90% dos municípios brasileiros até 2018, o Ministério das Comunicações trabalha para remover a barreira legal que atrela a concessão e o uso do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) ao Serviço Telefônico Fixo Comutado (STFC). "Temos que pensar num novo modelo e numa alavanca que permita ao País sair dessa posição vexatória em termos de velocidade (a 89ª posição do raking global de conectividade)", disse o secretário de Telecomunicações do Minicom, Maximiliano Martinhão durante o 59º Painel Telebrasil.

A este noticiário, Martinhão detalhou os esforços do ministério para colocar abanda larga no centro da política de telecomunicações. "Uma coisa é a renovação dos contratos de concessão, que a Anatel deve fazer até o fim deste ano. Outra é a mudança do modelo de telecomunicações brasileiro, que não queremos vincular a essa renovação de contrato de concessão", diz. Segundo ele, a atualização do modelo de telecomunicações é prioritário no ministério.

"Temos três modelos sendo analisado no Minicom e devemos ter uma proposta de novo modelo já no primeiro semestre do ano que vem", estima. A ideia, segundo Martinhão, é promover um amplo debate com diversos órgãos do governo, fornecedores, operadoras, Poder Judiciário e sociedade civil para o estabelecimento do novo marco regulatório das telecomunicações no Brasil. Importante ressaltar que esse estudo dentro do Minicom nãose confunde com a revisão dos modelos de concessão detodos os setoresqueestá em andamento na área técnica do Ministério do Planejamento. "São coisas independentes. O Planejamento tem esse estudo sobre o modelo de concessão para todos os setores e uma vez esse estudo concluído deve contribuir para o novo modelo que estamos formatando", esclarece.

Fonte: Teletime

Para Rezende, revisão do modelo de concessão é oportunidade para desregular setor

01/09/2015

Nos corredores do 59º Painel Telebrasil e durante os painéis do primeiro dia do evento anual da Associação Brasileira de Telecomunicações o grande assunto, como não poderia deixar de ser, foi a assimetria na competição das teles com os serviços over-the-top (OTT), que por se tratarem (esses últimos) de serviços de valor adicionado e não se confundirem com telecomunicações,nãoestão sujeitos à regulação da Anatel.

Para o presidente da agência, João Rezende,numprimeiro momento não há elementos que caracterizem serviços como o WhatsApp como serviço de telecomunicações. "O serviço de valor adicionado é complementar ao de telecomunicações, o usuário quer o serviço (OTT) e já paga pela conexão de dados.

Leia mais...

Desafio da RNP é conectar 4 milhões de pesquisadores em todo o Brasil

01/09/2015

Com um backbone que cobre mais de 2 mil km com rede de fibra ótica, 27 pontos de presença (PoPs) e 44 redes metropolitanas nas capitais e nas principais cidades do interior, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) conecta hoje mais de 400 instituições consorciadas e 60 organizações parceiras. De acordo com o diretor adjunto de gestão de soluções da RNP, Gorgonio Araújo, o grande desafio hoje reside nas malhas de ramificação regional a partir dos PoPs interligando as instituições usuárias com ultima milha. "Temos 400 organizações de pesquisa no Brasil que têm pós-graduação. São mais de 4 mil programas de pós-graduação que reúnem mais de 4 milhões de pesquisadores. É um grande desafio porquesomos muito menores do quequalquerumdesses números e a única forma de chegar lá é através de colaboração e parcerias", diz.

Leia mais...

Governo faz avaliação positiva da política de conteúdo nacional

01/09/2015

A política de obrigações de conteúdos e tecnologia nacional, adotada pelo governoem programas de desonerações e nos editais de licitação de frequências, gera atração de investimentos locais, contribuição para o aumentodaagregação devalor naindústria nacional, contribuição para o aumento de investimento em inovação e traz ganhos de competitividade. A análise foi feita pelo secretário-executivo adjunto do Funttel (Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações), Eder Alves, no debate sobre o tema no 59º Painel Telebrasil, na segunda-feira, 31. Ele lembra que essas obrigações foram acompanhadas da política de compras públicas, quegarantemargemdepreferência deaté25% para produtos com tecnologia nacional.

Leia mais...

Planejamento estuda antecipar fim das concessões para destravar investimentos no setor

01/09/2015

O Ministério do Planejamento está estudando alternativas regulatórias para antecipar o fim das concessões de telecomunicações. O objetivo é destravar investimentos do setor, informou o chefe adjunto da Assessoria de Assuntos Econômicos da pasta, Marcos Ferrari, que participou nesta terça-feira, 1º, do 59° Painel Telebrasil. A iniciativa faz parte de um conjunto mais amplo de medidas com foco em aspectos econômicos que possam contribuir para o desenvolvimento dos mercados regulados. "Nossa perspectiva é apenas a econômica, já queas políticas setoriais cabemaoMinistério das Comunicações e as análises técnicas à Anatel", ressaltou Ferrari.

O entendimento do Planejamento é de que o serviço de telefonia fixa já está em um modelo de plena concorrência. "Aconcessão cumpriu o seu papel e não tem porque esperar até 2025", disse Ferrari. A expectativa é de que o estudo fique pronto até o final do ano.

Leia mais...

Usuário poderá trafegar nas redes de operadoras em dez anos

01/09/2015

BRASÍLIA - A evolução do mercado de telecomunicações indica que no cenário dos próximos cinco a dez anos haverá trânsito livre dos usuários nas diferentes redes das operadoras, afirmou o integrante do conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) Igor de Freitas.

O conselheiro da Anatel disse queo avanço das novas tecnologias sugere que os usuários terão as redes de todas as operadoras disponíveis simultaneamente. Segundo ele, a própria aplicação de internet, em uso em determinado momento, se encarregará de fazer a escolha da prestadora pelo usuário, com base em critérios de preço e qualidade.

Leia mais...

cadastre sua empresa

Convênios e Parcerias

convenios-firmados-telebrasil

Fique Informado!

Cadastre-se para receber nossas novidades.

Recomende aos amigos!

logo-telebrasil 11

  

TELEBRASIL


foto-localizacao-telebrasil 

Razão Social: TELEBRASIL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES
Tel.: +55 (21) 2244-9494
Fax:+55 (21) 2542-4092
CNPJ/MF: 42.355.537/0001-14
Inscrição Municipal: 01.062.450

E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.