Internet e celulares no campo facilitam comunicação e produtividade

15/11/2015

Produtores rurais investem para melhorar a comunicação com os funcionários, agilizar os trabalhos e encurtar distâncias. O dia começa bem cedo para Leonardo Antônio Knychala. Antes das seis da manhã ele já está trabalhando na fazenda da família em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. E vai até tarde. “Tem dia que escurece e a gente ainda está trabalhando”, diz ele.

Interromper tudo e ir ao banco, por exemplo, costumava ser um problema. Hoje ele resiolve tudo o que pode usando um smartphone. “Com a Internet, nós acessamos o site do banco, vemos o extrato, o saldo, se tem algum boleto ou conta de energia para pagar.

Pagamos pelo celular, mesmo. Se fossemos até Uberlândia, demotraríamos entre 3 ou 4 horas para pagar uma conta”, diz ele.

A história de Leonardo pode ser vista em muitos outros lugares na área rural do Brasil. Nos últimos quatro anos, o número de usuários que acessam a Internet pelo celular em zonas rurais saltou de quatro para 24%.

São seis milhões de pessoas a mais usando a Internet no campo, segundo pesquisa feita em 2014 pelo Centro Regional de Estudos para Desenvolvimento da Sociedade da Informação, instituição ligada à Unesco.

Em outra fazenda, em Monte Alegre de Minas, as mensagens instantâneas são parte fundamental da comunicação. Quando o produtor rural Ricardo Engel precisa comprar algo na cidade, a lista de compras é enviada por seus funcionários através de um aplicativo de celular.

“E quando um animal parece não estar muito bem, rapidinho tiramos fotos ou fazemos um vídeo, e as imagens vão, na mesma hora, para os veterinários que prestam serviço na fazenda”, diz ele. Com isso, o veterinário pode fazer uma avaliação para saber se uma visita é realmente necessária, o que diminui tempo de atendimento e custo do processo.

Onze funcionários trabalham na fazenda e cuidam de uma propriedade de 154 hectares com 91 vacas leiteiras, suinocultura e uma granja de frangos. O sinal de celular na região não era bom, mas Ricardo investiu numa torre e hoje a fazenda toda é coberta por um sistema de Wi-Fi. “O investimento na torre ficou em R$ 8 mil, e isso melhorou muito a comunicação com os funcionários. Nosso processo ficou mais ágil e eficiente e também mais barato para a fazenda”.

Além de ajudar nos processos das fazendas, a tecnologia encurta distâncias e aproxima parentes que estão longe. A família de Werivelton de Almeida Nogueira mora no ceará. Hoje o casqueador conversa frequentemente com o avô e os tios.

“É bom porque a a gente está vendo a pessoa, os amigos distantes. Mesmo sem o sinal da operadora, pelo Wi-Fi você consegue contato”, diz ele.

Fonte: Globo Rural