Banco móvel é o canal preferido dos brasileiros para transações financeiras

01/06/2017

A expansão da oferta de infraestrutura de banda larga, em especial do 3G e do 4G, permitiu que o banco móvel se consolidasse como o canal preferido dos brasileiros, tendo sido responsável por 21,9 bilhões das transações bancárias realizadas no ano passado – um crescimento de 96% em relação a 2015, revela a Pesquisa de Tecnologia Bancária 2017, da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), conduzida pela consultoria Deloitte.

Em termos de participação, o canal móvel lidera com 34% do total das operações, um aumento de 14 pontos percentuais em relação ao ano anterior, seguido pelo internet banking (23%). Considerando-se apenas as transações com movimentação financeira, o salto foi ainda mais representativo: 140%, passando de 500 milhões, em 2015, para 1,2 bilhão. Quanto à evolução histórica, o volume quadruplicou nos últimos três anos.

“O crescimento do mobile deve-se, em boa parte, à migração de operações feitas pelo internet banking e ATMs”, afirma Gustavo Fosse, diretor Setorial de Tecnologia e Automação Bancária da Febraban. Ele observa que, atualmente, 42 milhões de contas ativas no País já contam com esse recurso, um salto de 27% se comparado com o ano anterior.

De acordo com o estudo, os três tipos de transações realizadas no mobile banking em 2016 foram: transferências bancárias (DOCs e TEDs), pagamentos de contas e consultas de saldo. Nesse contexto, chama a atenção o primeiro item, que registrou um crescimento de 741% em termos de transações realizadas, comparativamente a 2015. Outro dado importante apontado pelo executivo é que 9,5 milhões de clientes já são considerados heavy users no mobile banking, ou seja, realizam mais de 80% de suas operações por esse canal.

“O uso do mobile deve crescer ainda mais com o avanço das contas totalmente digitais. O consumidor demonstra confiança nos canais digitais, e o setor vem investindo para oferecer cada vez mais funcionalidades e segurança para as transações bancárias”, comenta o diretor da Febraban. Juntos, internet e mobile respondem por 57% do total de movimentações financeiras.

“A opção dos brasileiros pelo mobile banking reforça a necessidade de investimentos para ampliar e facilitar o uso deste canal e permitir a customização pelo próprio cliente”, comenta Paschoal Pipolo Baptista, sócio da Deloitte e especialista na indústria de serviços financeiros. “Os resultados da pesquisa evidenciam que os bancos brasileiros estão respondendo a esse movimento, mantendo-se na vanguarda tecnológica global”. Atualmente, há quase um milhão de contas totalmente digitais e a expectativa é que esse número chegue a 3,3 milhões até o final do ano – contas digitais são aquelas abertas por meio totalmente eletrônico, sem contato presencial entre clientes e instituições bancárias.

Realizada há 25 anos pela Febraban, em 2017, a Pesquisa de Tecnologia Bancária foi desenvolvida em parceria com a Deloitte e contou com a participação de 17 bancos, que representam 91% dos ativos dessa indústria no País. O estudo foi feito com a aplicação de questionário on-line junto às instituições financeiras, entrevistas com especialistas, consolidação de dados públicos e também com pesquisas internacionais da Deloitte para ampliar e aprofundar a análise dos dados.

Veja mais matérias da Newsletter Telebrasil

Dois anos depois da Lei das Antenas, mais de 300 municípios ainda têm legislação defasada

Nas contas das prestadoras, regras distintas e limitações que extrapolam a legislação federal dificultam o processo de expansão da infraestrutura e, portanto, a ampliação da cobertura dos serviços.

Leia mais


Sem antena,
sem celular

Vídeo produzido pelo setor lembra que além de incluir pessoas, o acesso às telecomunicações gera riqueza e desenvolvimento. Leia mais

Internet móvel está presente em mais de 5 mil municípios do Brasil

Mais de 98% da população brasileira moram em cidades com redes de 3G, e o 4G já chega a 1.925 municípios.

Leia mais

Copyright © 2017 Telebrasil - Associação Brasileira de Telecomunicações ... Todos os direitos reservados

Produção e edição:Editora Convergência Digital